14°C 20°C
São Paulo, SP
Publicidade

REVIEW: "The Tortured Poets Department" - Taylor Swift

Taylor descobriu o bom gosto por si mesma e fez do ‘The Tortured Poets Department’ um culto à personalidade.

26/04/2024 às 16h47
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Este álbum é talvez o auge artístico de Taylor Swift e todo o processo criativo carece de mérito. Mas cadê a música? Diria que trata-se de um álbum de poesia com variação tonal, mas isso não é necessariamente algo ruim. A música torna-se um assunto menor, é fato, mas então é a hora de se banhar na poesia nostálgica e impiedosa de Taylor Swift. As canções, letras e o instrumental são tão experimentais que você pode dizer que é um gênero por si só, um 'quase-indie'. Pelo menos não parece nada que alguém no pop entregaria.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Em “The Tortured Poets Department” Taylor canta sobre o amor como um sofrimento glorioso, ela descobriu o bom gosto por si mesma, podemos chamar de um culto à personalidade. É o álbum mais sincero de Taylor até hoje e essa pode ser exatamente a fraqueza dele. É um projeto para fazer um acordo com o passado e progredir, é propositalmente um pouco desamoroso, há questões de poder, uma busca latente por confiança e resolução.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Swift tem sido o contrapeso que transformou o interesse em músicas pessoais em arte para o mainstream, reafirmando que não é preciso relatar artisticidade e identidade separadamente. Este trabalho é consistente em relação ao que está em primeiro plano, a própria Taylor, que há anos oferece a sua base de fãs a maior superfície de projeção possível para sua relação parassocial, ela combina fragmentos individuais ao seu trabalho e o resultado é sempre um diário pessoal camuflado no sentimentalismo musical.

 

Continua após a publicidade

Uma certa estranheza também parece ser necessária para que o álbum atraia a atenção de quem está familiarizado com uma Taylor menos explícita. Entre analogias e hipérboles que enfatizam sentimentos compartilhados com o público alvo da cantora, ela pinta esses cenários ousados em seus momentos mais reflexivos e faz do projeto uma trilha sonora para o descontentamento mundial. É como se ela nunca estivesse confortável e rejeitasse aos gritos e palavrões uma vida monótona.

 

Continua após a publicidade

Não há quase nada para ficar insatisfeito, mas entre as poucas coisas: Poderia ter sido um pouco mais variado? Sim, mas talvez o ponto de não ter uma sobrecarga sensorial tenha sido proposital. O que falta no elemento surpresa, compensa com consistência. Não é sobre ganhar novos fãs ou criar novos hits mundiais, é sobre fazer o melhor que a Taylor pode para que o álbum resista ao teste do tempo e um fã possa escutar daqui a três décadas e dizer: 'Isso foi legal!'

 

Continua após a publicidade

Não importa o quão óbvio o desenvolvimento, não importa o quão inevitável tenha sido a sonoridade, não importa o quão comum sejam as narrativas, é um disco que faz você embarcar em um universo fantasmagórico e melancólico que cativa sua alma. O que realmente fica no final é uma questão altamente individual. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Reviews
Sobre o blog/coluna
Mantenha-se atualizado com as melhores reviews do mundo pop!
Ver notícias
São Paulo, SP
20°
Parcialmente nublado

Mín. 14° Máx. 20°

20° Sensação
2.68km/h Vento
79% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h47 Nascer do sol
05h36 Pôr do sol
Ter 20° 15°
Qua 24° 14°
Qui 26° 16°
Sex 24° 15°
Sáb 24° 15°
Atualizado às 13h05
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +0,31%
Euro
R$ 5,94 +0,10%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,08%
Bitcoin
R$ 365,729,48 +9,99%
Ibovespa
129,463,93 pts 0.44%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias